Juíza determina que governo esclareça privatização das linhas 5 e 17 do Metrô

Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação SEESP

O Governo do Estado de São Paulo tem 72 horas para apresentar mais informações que expliquem melhor o processo licitatório, em andamento, da concessão das linhas 5-Lilás e 17-Ouro do metrô paulista. Esta é a determinação da juíza Carolina Martins Clemência Duprati Cardoso, da 11ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, em despacho à ação civil pública proposta, em 12 de janeiro último, pela Frente Nacional Pela Volta das Ferrovias (Ferrofrente). A tutela cautelar antecedente foi concedida nesta segunda-feira (15). Assim que o governo estadual for citado o prazo começa a correr, sendo que na próxima sexta-feira (19) está programado leilão na Bolsa de Valores de São Paulo.

O processo ajuizado pela Ferrofrente questiona o fato de que não houve um estudo indicando ser mais vantajoso à sociedade a concessão na forma proposta. A entidade social, nos fundamentos da ação, salienta que o Estado tem uma empresa própria para operar o modal metroviário [a Companhia do Metropolitano de São Paulo, Metrô], apesar disso “decide terceirizar a operação das linhas para empresas privadas, em vez de utilizar sua estrutura própria”. Outro ponto considerado danoso é que “a licitação está sendo oferecida ao valor de uma outorga irrisória, perto da grande lucratividade”. Isso significa, prossegue a Ferrofrente, que “as empresas poderão vencer a licitação pagando ao Estado cerca de 200 milhões [de reais], com o benefício de lucros bilionários”.

“Temos uma engenharia que pode criar projetos integradores
na área de mobilidade urbana”, defende presidente da Ferrofrente

O presidente da Ferrofrente, o engenheiro José Manoel Ferreira Gonçalves, defende uma maior transparência em todo o processo, o que significa, para ele, “a sociedade ter acesso a todas as informações que envolvem a licitação”. O dirigente lamenta a “implantação de uma política neoliberal devastadora dos deveres e regulação do Estado”, deixando a sociedade totalmente à mercê dos interesses do mercado e do lucro. “Defendemos um Estado presente e cumpridor de suas responsabilidades sociais.”

Nesse sentido, ele cobra, de uma maneira geral, que a engenharia brasileira passe a ser mais respeitada, criando condições para que ela faça planejamentos e projetos executivos que leve em conta apenas o interesse da sociedade. “Precisamos parar de fazer “puxadinhos” ou improvisações. Temos uma engenharia que pode criar projetos integradores na área de mobilidade urbana”, exorta. E completa: “Estamos combatendo essa concepção de só pensar no lucro e não no interesse público. É absurdo mandarmos a população morar lá longe e depois a transportamos de qualquer jeito, sem dignidade. Quem pode mudar isso é a engenharia, enfrentando a realidade e até contrariando interesses, pois em primeiro lugar precisamos respeitar o direito coletivo.”

Gonçalves [foto ao lado] faz questão de esclarecer que a Ferrofrente é uma entidade social sem fins lucrativos e “que tem como objetivo defender o usuário de transporte de passageiros e de cargas”.

 

Link: http://www.seesp.org.br/site/index.php/comunicacao/noticias/item/17117-juiza-determina-que-governo-esclareca-licitacao-das-linhas-5-e-17-do-metro

 

We can undo privatisation. And it won’t cost us a penny

Link: https://www.theguardian.com/commentisfree/2018/jan/09/nationalise-rail-gas-water-privately-owned

 

Three-quarters of British voters want our rail, gas and water renationalised but it’s expensive – there is a business model that offers the best of both worlds

Public ownership is fashionable again. Turning over Britain’s public assets, lock, stock and barrel into private ownership and relying only on light-touch regulation to ensure they were managed to deliver a wider public interest was always a risky bet. And that bet has not paid off.

Recent polls show an astonishing 83% in favour of nationalising water, 77% in favour of electricity and gas and 76% in favour of rail. It is not just that this represents a general fall in trust in business. The privatised utilities are felt to be in a different category: they are public services. But there is a widespread view that demanding profit targets have overridden public service obligations. And the public is right.

Thames Water, under private equity ownership, has been the most egregious example, building up sky-high debts as it distributed excessive dividends to its private-equity owners via a holding company in Luxembourg, a move designed to minimise UK tax obligations. As the Cuttill report highlighted, at current rates of investment it will take Thames 357 years to renew the London’s water mains: it takes 10 years in Japan.

Equally, BT’s investment in universal national high-speed broadband coverage has been slow and inadequate, while few would argue that the first target of the rail operators has been quality passenger service – culminating in the most recent scandal of Stagecoach and Virgin escaping their contractual commitments. Most commuters, crowded into expensive trains, have become increasing fans of public ownership. Jeremy Corbyn’s commitment to renationalisation surprised everyone with its popularity.

The trouble is, it’s expensive: at least £170bn on most estimates. Of course the proposed increase in public debt by around 10% of GDP will be matched by the state owning assets of 10% of GDP, but British public accounting is not so rational. The emphasis will be on the debt, not the assets, and in any case there are better causes – infrastructure spending – for which to raise public debt levels.

And once owned publicly, the newly nationalised industries will once again be subject to the Treasury’s borrowing limits. If there are spending cuts, their capital investment programmes will be cut. What voters want is the best of both worlds. Public services run as public services, but with all the dynamism and autonomy of being in the private sector, not least being able to borrow for vital investment. It seems impossible, but building on the proposals of the Big Innovation Centre’s Purposeful Company Taskforce, there is a way to pull off these apparently irreconcilable objectives – and without spending any money.

The government should create a new category of company – the public benefit company (PBC) – which would write into its constitution that its purpose is the delivery of public benefit to which profit-making is subordinate. For instance, a water company’s purpose would be to deliver the best water as cheaply as possible and not siphon off excessive dividends through a tax haven. The next step would be to take a foundation share in each privatised utility as a condition of its licence to operate, requiring the utility to reincorporate as a public-benefit company.

The foundation share would give the government the right to appoint independent non-executive directors whose role would be see that the public interest purposes of the PBC were being discharged as promised.

This would include ensuring the company remained domiciled in the UK for tax purposes and guaranteeing that consumers, social and public benefit interests came first.

The non-executive directors would engage directly with consumer challenge groups whose mandate is to be a sounding board for consumer interests but at present are little more than talking shops, and deliver an independent report to an office of public services each year, giving an account of how the public interest was being achieved. It is important to have an independent third party: regulators, however good their intentions, too easily see the world from the view of the industry they regulate.

Because the companies would remain owned by private shareholders, their borrowing would not be classed as public debt. The existing shareholders in the utility would remain shareholders, and their rights to votes and dividends would remain unimpaired. So there would be no need to compensate them – no need, in short to pay £170bn buying the assets back. Indeed, the scope to borrow could be used to fund a wave of new investment in our utilities.

But the new company’s obligation would be to its users first and foremost, and would be free to borrow free from any Treasury constraint. Nor would any secretary of state get drawn into the operational running of the industries – one of the major reasons Attlee-style nationalisation failed. Inevitably decisions get politicised.

The aim would be to combine the best of both the public and private sectors. If companies do not deliver what they have promised, there should be a well-defined system of escalating penalties, starting with the right to sue companies and ending with taking all the assets into public ownership if a company persistently neglected its obligations. But the cost would be very much lower, because the share price would fall as it became clear it was operating illegally.

Britain would have created a new class of company. Indeed, there is the opportunity to start now. If Virgin and Stagecoach are unable to fulfil their contractual obligations on the East Coast line, the company should be reincorporated as a public benefit company. The shareholders would remain, but the newly constituted board would take every decision in the interests of the travelling public guaranteed by the independent directors, empowered consumer challenge groups and the office of public services – so that the taxpayer can trust her or his money is spent properly. Corbyn and John McDonnell have a way of delivering what the electorate want – and still keeping the industries off the public balance sheet. The circle can be squared.

 Will Hutton writes for the Observer, is principal of Hertford College, Oxford, and chair of the Big Innovation Centre

 This is an edited version of tonight’s Will Hutton TED talk to the Tribune Group of Labour MPs, the first of a series aimed at developing new policy ideas

Maluf se entrega à PF em SP após STF determinar início de cumprimento de pena

Link: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/maluf-sai-de-casa-para-se-entregar-a-pf-em-sp-apos-stf-determinar-inicio-de-cumprimento-de-pena-diz-advogado.ghtml

Maluf ficará preso por enquanto no terceiro andar da sede da Polícia Federal em São Paulo.

Na condenação, o STF determinou que a pena começará no regime fechado, sem possibilidade de saída durante o dia para trabalho. A sentença também determinou a perda do mandato de deputado. Ainda não foi informado onde ele ficará preso.

Maluf deixa residência nos Jardins rumo à PF (Foto: Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo)Maluf deixa residência nos Jardins rumo à PF (Foto: Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo)

Maluf deixa residência nos Jardins rumo à PF (Foto: Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo)

Ex-prefeito, de 86 anos, fez exames no IML e ficará preso na sede da PF em SP. Defesa diz que vai recorrer ao Supremo; Maluf sempre negou qualquer crime em entrevistas.

deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) se entregou à Polícia Federal em São Paulo na manhã desta quarta-feira (20), um dia após o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinar o “imediato início” do cumprimento da pena de 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão, imposta pelo tribunal por desvios praticados por Maluf na Prefeitura de São Paulo.

A defesa de Maluf destacou que o deputado tem 86 anos e disse que vai pedir à presidência do Supremo Tribunal Federal que ele cumpra em prisão domiciliar até o julgamento do recurso. Também fará pedido à Vara de Execuções Penais em Brasília. Segundo os advogados de Maluf, o político está fazendo tratamento contra um câncer de próstata.

Maluf saiu de casa por volta das 8h20 e chegou à sede da Polícia Federal na Lapa, Zona Oeste de São Paulo, pouco antes das 9h. Ele levou apenas uma mala com roupas e uma bolsa com remédios, segundo informações do Bom Dia Brasil.

O deputado Paulo Maluf é preso e conduzido para exame de corpo de delito no IML da Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo (Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo)O deputado Paulo Maluf é preso e conduzido para exame de corpo de delito no IML da Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo (Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo)

O deputado Paulo Maluf é preso e conduzido para exame de corpo de delito no IML da Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo (Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo)

Por volta das 11h10, Maluf deixou a sede da PF em direção ao Instituto Médico Legal (IML), também na Zona Oeste da cidade, onde vai passar por exame de corpo de delito. Ele chegou ao local em um carro preto descaracterizado e, com uma muleta em mãos, mostrou dificuldades para caminhar até a entrada do edifício. Maluf deixou o IML por volta do meio-dia e voltou para a sede da PF.

Maluf ficará preso por enquanto no terceiro andar da sede da Polícia Federal em São Paulo.

Na condenação, o STF determinou que a pena começará no regime fechado, sem possibilidade de saída durante o dia para trabalho. A sentença também determinou a perda do mandato de deputado. Ainda não foi informado onde ele ficará preso.

Maluf deixa residência nos Jardins rumo à PF (Foto: Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo)Maluf deixa residência nos Jardins rumo à PF (Foto: Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo)

Maluf deixa residência nos Jardins rumo à PF (Foto: Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo)

Defesa de Paulo Maluf fiz que vai pedir que deputado cumpra pena em casa

Defesa de Paulo Maluf fiz que vai pedir que deputado cumpra pena em casa

Decisão

O ministro Edson Fachin rejeitou um recurso apresentado pela defesa contra uma condenação que Maluf sofreu em maio deste ano por lavagem de dinheiro. Ainda durante a tarde, Fachin enviou ofício ao diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, determinando o cumprimento da prisão.

Maluf foi acusado pelo Ministério Público Federal de usar contas no exterior para lavar dinheiro desviado da Prefeitura de São Paulo quando foi prefeito, entre 1993 e 1996.

De acordo com a denúncia, uma das fontes do dinheiro desviado ao exterior por Maluf seria a obra de construção da Avenida Água Espraiada, atual Avenida Jornalista Roberto Marinho.

Em outubro deste ano, a Primeira Turma do STF já havia rejeitado um recurso do deputado contra a condenação. Ao negar novo recurso da defesa, Fachin entendeu que o pedido era “protelatório”, isto é, visava somente arrastar o processo.

“A manifesta inadmissibilidade dos embargos infringentes ora opostos, na esteira da jurisprudência desta Suprema Corte, revela seu caráter meramente protelatório, razão por que não impede o imediato cumprimento da decisão condenatória”, escreveu o ministro.

Nota da defesa

Leia abaixo a íntegra de nota do advogado de Maluf, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, divulgada na manhã desta quarta:

A defesa do Dr. Paulo Maluf esclarece que tão logo o Dr. Paulo tomou conhecimento da ordem de prisão por parte do Ministro Fachin decidiu se entregar imediatamente. Quis se dirigir ontem mesmo à noite à PF, ainda que não tivesse ainda nenhum documento formal. Hoje pela manhã se entregou a PF, mesmo sem ter sido intimado formalmente. Expliquei a ele que entraríamos hoje com uma Cautelar junto à Presidência do Supremo bem como procuraria o Juiz da Vara de Execução.

A decisão do Ministro Fachin é contrária a toda a jurisprudência do Supremo. E impediu o Dr. Paulo de exercer um direito que todo cidadão tem: o do duplo grau de jurisdição! O Supremo entendeu que a prisão pode ocorrer após o segundo grau, decisão que eu pretendo questionar no inicio do ano. No caso do Dr. Paulo o segundo grau seria com o julgamento dos Embargos Infringentes pelo Pleno do Supremo. O Ministro Fachin negou a ele o direito, reconhecido em todos os países civilizados do mundo, de ter acesso ao segundo grau. Foi julgado por uma única vez pela Primeira Turma do Supremo. É evidente que os Embargos Infringentes não são protelatórios. É o primeiro recurso e a jurisprudência é absolutamente favorável à interposição deste recurso. Retirar o direito ao acesso ao segundo grau é , com todas as vênias, uma agressão ao direito do cidadão. Por respeito a este direito é que o Supremo sempre aceitou a interposição do recurso de Embargos Infringentes. A defesa entende que os Embargos deveriam ter sido distribuídos ao Pleno e analisados de maneira técnica. A decisão monocrática retira do Dr. Paulo o direito de ter o segundo grau e retira do Plenário do Supremo o direito de dar a palavra final a este processo. Por acreditar no Judiciário, a Defesa continuará a questionar esta decisão que entende ser teratológica e contrária à jurisprudência da Suprema Corte.

Problemas para Alckmin: inquérito contra governador vai para o MP

 

Problemas para Alckmin: inquérito contra governador vai para o MP

O ano só não vai acabar melhor para Geraldo Alckmin porque o STJ autorizou a abertura de investigação contra ele a partir da delação da Odebrecht.

Com o número 1215, o inquérito seguiu para o MP de São Paulo.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em Brasília (Adriana Spaca/Brazil Photo Press/LatinContent/Getty Images)