Atas

ASSEMBLEIA GERAL DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO

FRENTE NACIONAL PELA VOLTA DAS FERROVIAS

Ata de assembleia geral. Aos 10 dias do mês de janeiro de 2014, às 18h00min, reuniram-se, na Rua Dr. Cesar, 75, Intermediário, Bairro Santana, CEP 02013-000 – São Paulo – SP, os interessados em constituir a FRENTE NACIONAL PELA VOLTA DAS FERROVIAS. Consignando seus nomes conforme lista de presença anexa, todos maiores e capazes, instalaram a presente Assembleia Geral de Fundação, que teve a seguinte ordem do dia: a) fundação da associação denominada FRENTE NACIONAL PELA VOLTA DAS FERROVIAS – FERROFRENTE; b) eleição e posse dos membros efetivos do Conselho Administrativo e membros do Conselho Fiscal para o quadriênio 2013-2017; c) Nomeação de Conselheiros Honorários e Conselheiros Técnicos. Dando início aos trabalhos, os presentes aclamaram para exercer a coordenação e presidência desta assembleia ao Sr. JOSÉ MANOEL FERREIRA GONÇALVES, e deliberaram por nomear a mim, SÁLVIO LUIZ NIENKÖTTER, como secretário dos trabalhos. Cientes da ordem do dia e não havendo qualquer oposição, passamos às deliberações. Em cumprimento do item “a” da pauta, os presentes decidiram, de forma unânime, pela fundação da FRENTE NACIONAL PELA VOLTA DAS FERROVIAS – FERROFRENTE e a aprovação do competente ESTATUTO SOCIAL. Antes da leitura do ESTATUTO SOCIAL, o Sr. JOSÉ MANOEL FERREIRA GONÇALVES pediu a palavra para proceder à leitura do MANIFESTO DA FERROFRENTE, com o seguinte teor: I – Em números redondos, 80% do transporte terrestre de cargas no Brasil se dá sobre pneus, apenas 20% sobre trilhos. II – Nos países industrializados e demais países em desenvolvimento é o contrário que se observa e não é por acaso. Comparado ao transporte rodoviário, o transporte ferroviário emite apenas 1/4 de gases de efeito estufa e custa apenas 1/6 do valor do frete. III – Se, por hipótese, invertêssemos o rodoviário com o com o ferroviário, teríamos uma economia de 175 bilhões por ano, o que daria para construir 20.000 km de ferrovias a cada novo ano. E veja-se que hoje temos menos de 28.000 km em operação. IV – Não queremos desconfiar da inteligência de nossos governantes, mas realmente parece que eles estão duvidando da nossa. V – Claro está que uma tal inversão não pode ser feita por decreto, nem de uma hora pra outra, mas pode sim ser priorizada, pode ser colocada como uma questão de Estado, e não dos sucessivos governos. VI – Seria uma mudança com o condão de mudar positivamente a situação do Brasil no quesito competição de mercado, o que, por sua vez, faria crescer nossa economia e a riqueza de cada um de nós brasileiros. VII – Há produto (inclusive da cesta básica) no Brasil cujo preço tem mais frete que qualquer outra coisa. É o caso açúcar, do arroz, do feijão, que pelo menos na maior parte do ano poderiam custar menos que a metade se houvesse ferrovia para transportá-los. VIII – Atualmente os investimentos previstos para os ferrovias são via PPPs, quer dizer, envolvem dinheiro privado, mas a contribuição pública destes investimentos no transporte ferroviário é feita com o dinheiro do trabalhador, que é quem realmente paga imposto no Brasil. IX – Aliás, o trabalhador paga o imposto antes de receber a renda, pois já vem descontado na folha de pagamento, o que faz parecer que o governo não confia nele, justo no pobre, no trabalhador, que como sabemos são as pessoas mais honestas do país: as falcatruas se dão no alto escalão. X – Ao contrário do que em geral se pensa, não são as grandes empresas que pagam grandes quantias de impostos, como às vezes alardeiam. Na verdade, em geral, elas repassam o imposto para o preço dos produtos e serviços: quem paga é o cidadão de menores recursos. XI – O Brasil, desde antes dos meados do século passado, só tem investido em rodovias. E esse investimento, feito com o dinheiro do imposto do trabalhador, só serve para prejudicar o trabalhador. XII – É kafkiana a situação! É inadmissível um Estado assim, que usa o dinheiro do mais desvalido contra ele mesmo e em favor dos mais abastados, dos grandes lobbies. XIII – O pior. São exatamente os financiadores involuntários desse estado de coisas, desse investimento torto, que acabam pagando o preço máximo por isso: a própria vida. São milhares de mortes causadas diretamente pela poluição do trânsito. A própria ONU acabou de reconhecer isso de forma oficial. XIV – O rico anda de carrão, com ar filtrado e refrigerado, no bem bom. Mas o trabalhador anda pendurado nos ônibus que conhecemos, aspirando dióxido e monóxido de carbono, num trânsito caotizado pelo mesmo motivo: excesso de veículos. XV – A imobilidade urbana chega a uma situação inadmissível, enervante e predadora. Sendo que a solução está ao nosso alcance. XVI – O trem polui quatro vezes menos, e o frete ferroviário é seis vezes mais barato. XVII – A poluição traz vários tipos de doenças respiratórias, inclusive o câncer. XVIII – A poluição gera aquecimento global, o que enfraquece nossa posição mundial. XIX – A poluição é um crime contra as gerações futuras. XX – O alto custo do frete aumenta o custo de todas as mercadorias, especialmente as mais básicas, mais necessárias, que chegam a andar mais de três mil quilômetros em caminhões. XXI – A concentração nos caminhões congestiona as estradas, trazendo acidentes, favorecendo os arrastões, vilipendiando o motorista do automóvel e o profissional da estrada, uma das maiores vítimas do processo. O Manifesto foi aclamado pelos presentes. Dando continuidade à reunião, o Presidente da assembleia solicitou a secretário que apresentasse o ESTATUTO SOCIAL que foi lido, apreciado e aprovado integralmente por aqueles que assumem, desde logo, a condição de ASSOCIADOS FUNDADORES, a seguir designados: José Alberto Moraes Alves Blandy, brasileiro, divorciado, advogado;  Sálvio Luiz Nienkötter, brasileiro, divorciado, editor;  José Manoel Ferreira Gonçalves, brasileiro, casado, engenheiro; Élio Lopes dos Santos, brasileiro, Engenheiro; João Alves Tiradentes, brasileiro, jornalista; Marcus Neves Fernandes, brasileiro, casado, jornalista; Márcio Altair Boaro, brasileiro, casado, roteirista; Moacir Bueno Arruda, brasileiro, divorciado, professor, e Bruno César Deschamps Meirinho, solteiro, advogado. Concluído o item referente à fundação do FRENTE NACIONAL PELA VOLTA DAS FERROVIAS, o Sr. Presidente procedeu ao item “b” da pauta: eleição dos membros efetivos do Conselho Administrativo e do Conselho Fiscal. Por unanimidade, foram eleitos os membros efetivos do Conselho Administrativo, tendo sido escolhido para a Presidência do Conselho Administrativo o Sr. José Manoel Ferreira Gonçalves, e em seguida foram eleitos os membros do Conselho Fiscal, assim qualificados:

 

CONSELHO ADMINISTRATIVO

Na qualidade de PRESIDENTE e MEMBRO EFETIVO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO:

José Manoel Ferreira Gonçalves, brasileiro, casado, engenheiro, (dados pessoais indisponíveis).

Na qualidade de MEMBROS EFETIVOS DO CONSELHO ADMINISTRATIVO:

José Alberto Moraes Alves Blandy, brasileiro, divorciado, advogado, residente à Rua Tuin, 536, AP. 141, Vila Uberabinha, São Paulo, PR, CEP 04.514-102, portador do RG nº 2579580 e inscrito no CPF/MF sob o nº 044.173.728-53.

Sálvio Luiz Nienkötter, brasileiro, divorciado, editor, residente à Rua Marechal Deodoro, 811, Sala 10, Centro, Curitiba, PR, CEP 80.060-010, portador do RG nº 9095850-0 e inscrito no CPF/MF sob o nº 477.910.559-53.

Élio Lopes dos Santos, brasileiro, Engenheiro, residente à Av. Coronel Joaquim Montenegro, 62, Ap. 102, Aparecida, Santos, SP, CEP 11.035-000, portador do RG nº 3887435-0 e inscrito no CPF/MF sob o nº 510.292.358-72.

João Alves Tiradentes, brasileiro, jornalista, residente à Rua Dr. Carlos Norberto de Souza Aranha, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, CEP 05.452-011, portador do RG nº 557339, e inscrito no CPF/MF sob o nº 645.212.498-68.

Nos termos do art. 22, inciso II e III do Estatuto Social da FERROFRENTE, os membros efetivos do Conselho Administrativo deliberam pela escolha dos seguintes membros dos Conselhos Honorário e Técnico para ocuparem o Conselho Administrativo:

Coordenador do Conselho Honorário, Pedro Ivanow, brasileiro, empresário, residente à Rua Sergipe, 600, apto. 41, bairro Higienópolis, São Paulo, SP, CEP 001243-000, portador do RG nº 4.938.009-6, e inscrito no CPF/MF sob o nº 666.171.038-15.

Coordenador do Conselho Técnico, Eduardo Armênio Kissajikian, brasileiro, residente à Rua Cassio da Costa Vidigal, 67, ap72, Jardim Europa, Sao Paulo, SP, CEP 01456-040, portadoro do RG nº 4.887.137-7 e inscrito no CPF/MF sob o nº 675.419.848-68.

CONSELHO FISCAL

Marcus Neves Fernandes, brasileiro, casado, jornalista, residente à Rua Goiás, 52/32, Boqueirão, Santos, SP, CEP 11.050-100, portador do RG nº 15950230 e inscrito no CPF/MF sob o nº 049.441.258-52.

Márcio Altair Boaro, brasileiro, casado, roteirista, residente à Rua Siqueira Campos, 1321, São Paulo, SP, portador do RG nº 11.879.836-4, inscrito no CPF/MF sob o nº 113.469.948-46.

Moacir Bueno Arruda, brasileiro, divorciado, professor, residente no Condomínio Império dos Nobres, 2A12, Sobradinho, Brasília, DF, CEP 73.252-128, portador do RG nº 223889, inscrito no CPF/MF sob o nº 696.278.278-00.

Bruno César Deschamps Meirinho, solteiro, advogado, residente à Rua Tenente Francisco Ferreira de Souza, 3315, Boqueirão, Curitiba, PR, CEP 81.670-010, portador do RG nº 6.126.133-8/SSP-PR, inscrito no CPF/MF sob o nº 030.392.439-00.

Eleitos e qualificados, foram empossados de imediato, passando, a partir desta data, a exercer os poderes e responsabilidades nos termos do Estatuto Social, para o mandato de quatro anos, o qual se encerrará no dia 10 de janeiro de 2018. Na sequência, passou-se ao item “c” da pauta, pertinente à nomeação dos Conselheiros Honorários e Conselheiros Técnicos, membros sem vínculo associativo, para o fiel cumprimento das funções estatutárias, designados a seguir:

CONSELHEIROS HONORÁRIOS

Roseane Maria Nienkötter, inscrita no CPF/MF sob o nº 777.565.509-78; Luciano Juliano Blandy, brasileiro, inscrito no CPF/MF sob o nº 174.382.248-05; Deborah do Amaral Gurgel Xavier, inscrita no CPF/MF sob o nº 091.734.498-73; Cristiane Luísa Pereira Nienkötter, inscrita no CPF/MF sob o nº 065.440.579-40; Mariana de Oliveira Ferreira Gonçalves, inscrita no CPF/MF sob o nº 344.178.788-97; Ana Cláudia de Oliveira, inscrita no CPF/MF sob o nº 593.602.166-15; Luís Carlos Nienkötter, inscrito no CPF/MF sob o nº 660.109.509-53; Vinicius Ribas Gomez Pereira, inscrito no CPF/MF sob o nº 330.289.568-29; Valdir Nahora da Silva, inscrito no CPF/MF sob o nº 279.479.388-81; Pedro Ivanow, inscrito no CPF/MF sob o n 666.171.038-15; Paulo Nelson Macuco Araújo, inscrito no CPF/MF sob o nº 133.771.298-12; Hélvio Moril de Jesus, inscrito no CPF/MF sob o nº 020.378.278-06; Marco Aurélio Avesani Júnior, inscrito no CPF/MF sob o nº 103.406.358-86; Kayo Felype Nachtajler Amado, RG nº 487103373; Volmer Silva do Rego, inscrita no CPF/MF sob o nº 039.174.728-21; Alexandre Angel Carasso, inscrito no CPF/MF sob o nº 693.162.288-91.

CONSELHEIROS TÉCNICOS

José Moreira e Silva, inscrito no CPF/MF sob o nº 004.556.521-04; Marcelo de Oliveira Ferreira Gonçalves, inscrito no CPF/MF sob o nº 364.786.388-20; Patricia Castilho Crispim, inscrita no CPF/MF sob o nº 576.166.711-87; Leôncio Lima, portador do RG nº 14190293-0; Glauco Ramos Braga, inscrito no CPF/MF sob o nº 080.573.368-03; Tatiana Ferreira Lopes, inscrito no CPF/MF sob o nº 213.337.448-54; Jimy Mauricio Piha, inscrito no CPF/MF sob o nº 313.852.988-71; Fernanda Sophia da Silva, inscrita no CPF/MF sob o nº 007.571.814-10; Manuel Leal Boucinhas, inscrito no CPF/MF sob o nº 157.008.098-42; Eduardo Armênio Kissajikian, inscrito no CPF/MF sob o nº 675.419.848-68; Rogerio Spiess Fernandes Cortez, inscrito no CPF/MF sob o nº 132.869.508-58; Antonio Carlos, inscrito no CPF/MF sob o nº 988.177.658-34 e João Paulo Cortez, residente à Av Bartolomeu de Gusmao, 157, Ap 103, Ponta da Praia, Santos, SP.

Nada mais a tratar, foi encerrada a Assembleia Geral, sendo por mim, SÁLVIO LUIZ NIENKÖTTER, secretário na presente Assembleia, lavrada a presente ata que, lida e aprovada, segue assinada por mim e pelo Sr. José Manoel Ferreira Gonçalves, Presidente da Assembleia.

 

São Paulo, 10 de janeiro de 2014

 

José Manoel Ferreira Gonçalves

Presidente

 

 

 

 

 

Sálvio Luiz Nienkötter

Secretário